23/12/2021 às 12h53min - Atualizada em 23/12/2021 às 12h53min

“Estaremos atentos a todas as dores da sociedade alagoana”

Novo presidente da OAB/AL diz que gestão será voltada para aproximação e sensibilidade com causas da população

TH
↑ Presidente da OAB, Vagner Paes diz que prerrogativas dos advogados representam acesso do cidadão à Justiça (Foto: Edilson Omena)

O novo presidente, eleito para o triênio 2022/2024, da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Alagoas (OAB/AL), advogado Vagner Paes afirmou que entre os compromissos da nova gestão está a aproximação e a sensibilidade com as causas da população. “Estaremos atentos a todas as dores da sociedade alagoana, não vamos nos omitir. Nos dedicaremos para que todo cidadão seja respeitado”.

Paes destacou a defesa das prerrogativas dos advogados, como forma de levar as necessidades da sociedade ao Judiciário. “As prerrogativas devolvem à advocacia, o orgulho e a altivez. Elas existem para permitir que o cidadão ou a cidadã, que são os verdadeiros donos da coisa pública, tenham acesso ao judiciário. Quando o advogado não consegue falar com o magistrado, é o cidadão que deixa de ter acesso à tutela jurisdicional adequada, efetiva, plena”.

O presidente da OAB falou dos prejuízos causados, quando o acesso ao magistrado é dificultado, citando como exemplo os casos que envolvem a saúde do cidadão. “Nos casos que tratam de saúde, se não conseguimos falar com o magistrado em tempo hábil, o cidadão pode vir a óbito. A Justiça de primeiro grau tem uma dificuldade grande de enxergar esse papel do advogado. São barreiras colocadas a cada dia e que dificultam, não para nós, mas para o verdadeiro dono da coisa pública, que é o cidadão”, afirmou.

DISTORÇÃO

Com relação ao alto número de cursos de direito existente no País, Vagner Paes disse que “nenhum país do mundo tem a quantidade de advogados que o Brasil tem. Isso é muito significativo e mostra a distorção na política educacional do País”.

Ele disse ainda, que um país que pretende se desenvolver, sobretudo economicamente, precisa focar nas áreas das ciências exatas, principalmente nas de engenharia. “O direito é muito importante, mas é preciso muita vontade de ler, de escrever e sobretudo de se doar ao próximo. Nossa profissão é isso, é entrega. A gente passa muito tempo sentindo as dores, agruras das partes para transmutar em palavras, petições”, afirmou.

O presidente atribuiu o crescimento no número de cursos de direito nas últimas décadas, no Brasil, à expectativa de aprovação em concursos públicos na área. Segundo ele havia uma ilusão de que o Estado iria conseguir abarcar um grande número de oriundos desses cursos. “As crises econômicas vieram e não foi possível socorrer toda essa gama de estudantes dentro do aparato estatal. Criou-se um vácuo muito grande”.

Paes disse ainda que, “muitos profissionais foram para a advocacia por falta de opcão, não por vocação. Uma situação muito difícil de solucionar posteriormente, pois não são pessoas apaixonadas desde a graduação. O mercado tem oportunidades, mas é preciso que o estudante tenha vocação, caso contrário vai ser um péssimo juiz, promotor e sobretudo um advogado frustrado”.

Ordem tem projeto de acolher público jovem ainda na faculdade

 

A OAB possui quase 20 mil inscritos, na maioria jovens. Visando esse público, a nova gestão tem projetos para acolher esse segmento já nas universidades. “A OAB vai ocupar um espaço que nunca ocupou, preparando essa turma para que ao entrar no mercado não sinta tanta diferença. Vamos oferecer cursos de formação que falem sobre fixação de honorários, ética, publicidade. Pois a realidade hoje é outra”, afirmou Vagner Paes.

O presidente ressaltou que “advocacia não é somente criminal, previdenciária, trabalhista. Hoje temos diversos nichos novos, como o Direito Ambiental, Direito à Saúde, Direito das Pessoas com Deficiência Visual, das Crianças Autistas, Direitos Humanos, Empresarial, dentre tantos outros. Tem muita coisa nova surgindo. A OAB precisa servir de farol, ser um horizonte para o estudante perceber que tem espaço dentro da Ordem, para estudar, se preparar e seguir o caminho”.

TRAJETÓRIA

Vagner Paes falou também sobre sua trajetória na Ordem. “A OAB sempre esteve presente em nossa vida. Desde estagiário no escritório Bulhões e Bulhões que acompanhamos o doutor Areias Bulhões, então presidente da Ordem. Era uma OAB pujante, participativa, muito forte na área social. Participamos de várias eleições e em 2012 formamos um grupo, encabeçado pela advogada Cláudia Amaral para disputar a eleição. Foi a primeira experiência de uma candidatura própria. Era uma proposta independente, com poucos recursos, mas com muita criatividade”.

Na eleição anterior, Paes foi eleito vice-presidente na chapa liderada pelo advogado Nivaldo Barbosa. “Quando fomos convidados a participar com Nivaldo, a ideia era de que nosso grupo seria a renovação da Ordem. Mas parte do grupo resolveu resgatar um projeto de 2012, com as mesmas pessoas, mesmos propósitos. Houve choque de ideias. O grupo que nos apoiava entendeu que era preciso renovar, então trouxemos uma parte das pessoas da gestão que nunca teve oportunidade de participar da linha de frente da OAB. Pessoas que tinham história, trabalho, competência, mas não conseguiam ter visibilidade naquele projeto”, declarou ele.

ELEIÇÃO

O advogado Vagner Paes assume a presidência da OAB/AL no dia 1º de janeiro. Ele foi eleito no dia 19 do mês passado para o triênio 2022/ 2024, juntamente com a advogada Natalia Von Sohsten, eleita vice-presidente. Paes concorreu pela chapa 02, OAB Arretada, que obteve 3.280 votos.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »