24/05/2021 às 15h56min - Atualizada em 24/05/2021 às 15h56min

Prefeitura de Maceió oficializa apoio à Casa da Mulher Alagoana

Termo de cooperação com o TJAL foi assinado nesta segunda-feira (24); Casa passou a funcionar com todos os serviços no último dia 10

Por Redação - Diego Silveira
Prefeito JHC assinou termo de cooperação para auxiliar no funcionamento da Casa da Mulher. Foto: Caio Loureiro
O termo de cooperação que oficializa o apoio da Prefeitura de Maceió à Casa da Mulher Alagoana foi assinado, nesta segunda-feira (24), no Tribunal de Justiça (TJAL). Para o prefeito JHC, o projeto é uma importante iniciativa coletiva que tem auxiliado vítimas de violência doméstica na capital.
 
"A Casa é um porto seguro. Determinei como prioridade viabilizar recursos humanos para dar vida ao local e acolher as mulheres vítimas de violência", afirmou o prefeito.
 
A Prefeitura cedeu servidores para a recepção e para os serviços gerais da Casa. Também foram cedidas técnicas de enfermagem para atender as mulheres que chegam machucadas.
 
O presidente do TJAL, Klever Loureiro, agradeceu pela parceria e reforçou a importância do trabalho conjunto entre as instituições. O projeto da Casa da Mulher conta ainda com apoio do Legislativo e do Executivo estadual.
 
"A Casa é um marco para a defesa das mulheres. Ela protege e acolhe sobretudo as mais pobres, que são agredidas e não têm para onde ir", afirmou o desembargador, ressaltando que tudo o que o Judiciário puder fazer, para enfrentar a violência doméstica, será feito. 
 
Funcionando na sua integralidade desde o último dia 10, a Casa da Mulher Alagoana reúne Juizado, Delegacia, Defensoria Pública, Patrulha Maria da Penha e outros órgãos da rede de proteção às mulheres. O prédio, localizado ao lado da Praça Sinimbu, no Centro, conta ainda com alojamento temporário, salas de atendimento psicossocial, brinquedoteca e centro de mediação e conciliação.
 
De acordo com a coordenadora da Casa, Érika Lima, o número de atendimentos tem sido maior do que o esperado. "Temos recebido muitas mulheres. Já apareceram senhoras violentadas pelos filhos e também grávidas agredidas pelos companheiros", contou.
 
Ainda segundo a coordenadora, ter os serviços funcionando em um só local acaba incentivando as mulheres a procurarem ajuda. "Isso facilita muito. Quando a mulher chega, ela não é enviada para outro lugar. Tudo ela consegue resolver dentro da Casa. As medidas protetivas estão saindo em até 48 horas", disse.
 
O espaço foi inaugurado em janeiro deste ano, ainda na gestão do desembargador Tutmés Airan. Para ele, a violência doméstica e familiar precisa ser enfrentada. "Violenta-se a mulher em um espaço de intimidade, onde deveriam reinar o amor, a compreensão, o afeto. Esse tipo de violência deixa marcas profundas na alma da mulher e de toda a família e precisa ser combatido", destacou o desembargador, que está à frente da Coordenadoria da Mulher do TJAL.
 
Casa da Mulher Alagoana funciona ao lado da Praça Sinimbu, de segunda a sexta, das 7h30 às 19h30. Foto: Caio Loureiro
 
 
Funcionamento Casa da Mulher
 
Recepção: A mulher que chega é direcionada à recepção, onde são colhidos os seus dados pessoais. Depois, ela é encaminhada para ser atendida pela equipe multidisciplinar da Casa.
 
Equipe Multidisciplinar: Aqui é feito o acolhimento da vítima de violência doméstica. Psicólogas e assistentes sociais fazem a escuta qualificada dessa mulher e, dependendo da necessidade, a encaminham para a Delegacia, Defensoria Pública ou outro setor.

Delegacia: A mulher é encaminhada à Delegacia caso queira denunciar seu agressor. Daqui sairá pedido de medida protetiva, que será analisado pelo juiz do Juizado da Mulher, no prazo máximo de 48 horas.
 
Defensoria: Caso não queira denunciar o agressor, mas solicitar, por exemplo, o seu afastamento, a mulher será encaminhada à sala da Defensoria Pública, que entrará com pedido na Justiça.

Abrigo temporário: Se a mulher quiser deixar o local onde sofreu agressão e se abrigar, temporariamente, na Casa, também pode. O equipamento conta com dormitório, berçário, banheiros e copa.
 
Capacitação profissional: A mulher também pode ser encaminhada ao projeto "Tem Saída", coordenado pela Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Alagoas (OAB/AL). A iniciativa visa proporcionar a independência financeira das vítimas de violência doméstica, colocando-as ou recolocando-as no mercado de trabalho. Assim, a mulher pode deixar de morar com seu agressor, caso deseje.
 
 
Serviço
 
Casa da Mulher Alagoana

Local:
 Rua do Imperador, 119, ao lado da Praça Sininbu, no Centro de Maceió
 
Atendimentos: de segunda a sexta, das 7h30 às 19h30
 
Telefone: (82) 2126.9650 
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »