15/04/2022 às 11h54min - Atualizada em 15/04/2022 às 11h54min

Marechal Deodoro: Um luxo sem cuidados básicos

Por Redação
Em várias cidades ao redor do mundo, o meio ambiente se tornou a prioridade número um. Entre outros fatores, isto está relacionado também ao trabalho de limpeza pública urbana.

A conscientização de como preservar o meio ambiente faz com que os planejadores e autoridades desenvolvam novas soluções que visem minimizar os impactos causados pela omissão do próprio setor público ou pela ação dos agentes inseridos no contexto de munícipes ou visitantes. Entender isso, colocando em execução ações educativas que abordem a responsabilidade de cada cidadão(ã), seus direitos e deveres perante a temática Ambiental já séria um bom sinal da gestão com vistas a solucionar essa problemática que se arrasta por quase dois mandatos, sem avanços.

A cidade de Marechal Deodoro, tombada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), desde 2006, com uma silhueta arquitetônica inconfundível, necessita de cuidados especiais, de pessoas que saibam valorizar a história de uma das cidades mais respeitadas do Brasil.

Permitir acúmulo de lixo, crescimento desordenado de vegetação em áreas de acesso a locais de visitação turística e frequentadores diários; aceitar a depreciação de partes de uma edificação (externa ou interna), sem que isso seja por causas naturais, apenas corrobora com a ideia de uma "gestão ", no mínimo sem competência para gerir os problemas básicos do município a qual comanda.

Por: Cortesia

Fato é, que não é de hoje que a gestão deodorense vem enfrentando dificuldades em superar os obstáculos criados pela limpeza urbana, principalmente em pontos de movimentação turísticas - outro agravante -, a exemplo da:
  • Na matriz; 
  • No bairro da poeira;
  • Na orla;
  • Na Tuquanduba; 
  • Na taperaguá; e,
  • No ponto 20 em período chuvuso.

Por: Cortesia

Na Rod. Barnabé Toledo, Rua dos Cajueiros próximo ao trevo da usina, a situação também deixa a desejar. Isso acarreta numa série de situações, inclusive, enfermidades que estão fortemente associadas aos vetores e à presença de água contaminada. Dentre essas, podemos citar:
  • Propagadas por mosquitos: dengue, febre amarela, arboviroses, elefantíase, malária, chikungunya.
  • Propagadas por moscas: giardíase, disenteria, amebíase, cólera, salmonelose.
  • Propagadas por baratas e formigas: giardíase, cólera e diarreia.
  • Propagadas por ratos: leptospirose, peste bubônica, tifo.
Morador da região, o senhor  Abinael Silveira que não quis sua imagem mostrada, relatou que:
"Infelizmente a Coordenação Limpeza Urbana só aparece quando é para colocar o tapete para o prefeito passar ou participar de algum evento e fingir que tudo vai bem", desabafou.
A limpeza urbana não está associada apenas à varrição de ruas. O serviço é uma das diversas ações de manutenção da limpeza pública e é de obrigação de cada município. Ela é, assim, parte de um meio ambiente saudável e equilibrado, sendo direito de todos e dever de cada cidadão por ela zelar, cabendo ao Poder Público a execução (direta ou indireta) dos serviços de coleta de lixo e limpeza dos bens públicos.

Recentemente, em vídeo postado nas redes sociais pelo Ex-prefeito Cristiano Matheus, durante um velório na cidade, essa constatação de descaso e falta de respeito aos deodorenses e seus visitantes ficou ainda mais nítida, uma vez que, envolve o cemitério municipal e a paróquia que se encontra no Largo do Carmo, um dos pontos turísticos da cidade que teve suas obras de revitalização conclusa pela atual gestão, mas que hoje, parece esquecido em termos de planejamento e zelo. Sem contar na falta de respeito aos amigos e familiares que enterraram seus entes queridos e se deparam com a falta de estrutura minima até para transitar, limpeza e organização. Por oportuno, o Ex-gestor, resume de forma sucinta, algo que seria tão óbvio, aos compromissados com o povo. "Parceria".

Veja vídeo:


Por: Marcos Souza - CM: Lixo, descaso e falta de respeito aos deodorenses e visitantes.

Perguntado sobre a rotina de serviços de limpeza e cuidados ofertados pelo município na localidade, uma moradora que iremos aqui chamar de (dona Edneusa Santos), deodorense raíz, disse:
"Eu faço a minha parte, digo a vocês que ficou lindo. Era um monte de gente trabalhando e na inauguração nem se fala, mas depois se tornou qualquer coisa sem importância". Finalizou.
Ainda de acordo com a moradora, "não existe cobrança de respeito sem dignidade". Isso é básico.

Menos marketing e mais ações. Menos atalhos e mais direção rumo a solução dos problemas da limpeza urbana em Marechal deodoro


Por: Jornalista Marcos Souza.

Espaço disponível para esclarecimento dos citados na matéria.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »