25/05/2021 às 20h09min - Atualizada em 25/05/2021 às 20h09min

OS EFEITOS DA PANDEMIA NA SAÚDE MENTAL; VEJA VÍDEO

Por Carlos Rodrigues
Imagem: Reprodução

A pandemia foi um baque inacreditável, em nossa vida, um choque, e em nossa mente, o desconhecido. Há mais de um ano vivemos com os sentimentos de insegurança, angústia e medo. Estamos diante de um grande desafio, e por muito tempo pensávamos estar em um futuro incerto. O mundo inteiro teve que se adaptar com as novas mudanças, não foi e nem está sendo fácil para ninguém, já que ainda estamos vivendo a pandemia causada pelo novo coronavírus que já matou milhares e milhares de pessoas.

Segundo o psicólogo Emerson Monteiro, houve um aumento significativo na procura desse profissional nesse período. “A gente tem um aumento agora, na nossa demanda, na procura acerca dos psicólogos nesse período”, explica o profissional dizendo que as pessoas passaram a procurar mais os psicólogos por conta do confinamento. Para as pessoas que moram sozinhas e tiveram que enfrentar a pandemia, distanciamento social, foi algo difícil e que muitas tiveram crises de estresse e ansiedade. O psicólogo recomenda que as pessoas que moram sozinhas devem procurar atalhos que deixam elas leves, buscar algo positivo e excluir o que é negativo.

Há um ano adotamos medidas sanitárias como lavar as mãos, higienizar com álcool em gel, e usar máscara, mas para muitas pessoas isso tem sido desafiador, são mortes, contaminações, medo, angústia, que rodeiam diariamente nossa mente. “A sociedade já está preparada, ela começou a entender o que está acontecendo”, afirma o psicólogo dizendo que já conseguimos compreender, e isso ajuda a amenizar o sofrimento na mente.

Mas ainda vivemos com uma incerteza: quando tudo isso vai acabar? Quando isso vai passar? Vivemos numa pandemia que já matou milhares e milhares de pessoas, mas ainda não acabou. E diante de tudo isso, como fica nossa mente? Para as pessoas que precisam trabalhar, e enfrentam o transporte público lotado, em Maceió, é algo desafiador, ter que conviver com o medo, a insegurança. São sentimentos que o trabalhador vive diariamente, mesmo com uma vacina já sendo aplicada. Realmente não tem sido fácil para ninguém. Tem gente que fez de tudo e faz de tudo para não se contaminar.

A estudante de jornalismo, Laura Souza relata que durante a pandemia sua saúde mental ficou muito afetada, com a perda de familiares para a doença, logo no início da pandemia, e com isso ela ficou com muitas incertezas, sendo difícil arrumar algo para fazer e se manter calma. Mas no decorrer dos meses, com os avanços, a jovem conseguiu encontrar ferramentas que puderam ajudar a se manter calma.

Wanessa França, também estudante de jornalismo relatou que nesse processo ela mudou sua rotina e passou a ocupar seu tempo livre para poder ficar bem da cabeça. Com a pandemia, ela passou a fazer mais leituras, ajudando a ficar nesse isolamento social. Deric Balbino, empresário, praticou muito exercício físico para ajudar a se livrar do estresse causado pelo distanciamento social.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), antes da pandemia o Brasil já era o segundo país mais ansioso do mundo. Durante a pandemia, o número aumentou. De acordo com um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), revelou um aumento de 90% nos casos de depressão. Os casos de pessoas com crise de ansiedade e sintomas de estresse, dobrou entre março e abril de 2020.

Valdise Alves, estudante de jornalismo relata sua ansiedade nesse período de pandemia, dizendo que foi muito complicado, ter que acompanhar notícias, navegar nas redes sociais, se tornou um gatilho para sua crise de ansiedade. “Mas tudo bem, a gente tá vivendo uma pandemia”, explica ela que ficou muito angustiada com tudo o que está acontecendo, mas que é necessário se manter sempre informada.

Por onde passa, o vírus deixa um tanto de tristeza e preocupação com o futuro, além do medo, da angústia, temos que lidar também com o luto. O Brasil já alcançou o número de mais de 450 mil mortes pelo coronavírus, dados alarmantes e que, infelizmente só vem crescendo diariamente. Distanciamento social, quarentena, quanta gente trancada em casa, vivendo um medo que não sabemos até quando vai permanecer. Pais e filhos, vovós e vovôs, cachorros e gatos, as famílias tiveram que se reinventar para suportar os efeitos da pandemia.

A enfermeira Anny França, está há mais de um ano em combate a pandemia, e relata que quando as pessoas chegam na Unidade Básica de Saúde (UBS) são atendidas, passam por uma triagem e a equipe médica avalia os sinais. Se a saturação da pessoa está baixa, logo é encaminhada para uma sala de observação, onde fica no oxigênio. Se essa saturação não volta a normalizar, a pessoa é encaminhada para a internação. Ela relata que há mais de um ano está nesse combate ao coronavírus, e conta que nesse mês foi contaminada. A enfermeira foi imunizada no mês de fevereiro, e afirma que a vacina foi primordial para que os seus sintomas fossem leves. “Eu relaciono isso a questão da vacina, quando chegar sua vez, tome a vacina”, diz.

A angústia de quem se contaminou, é visível, e deixará marcas que dificilmente serão apagadas, o coronavírus afeta também a mente, deixando sequelas no corpo e muitas vezes na alma. Raphael Jucá, é um produtor, mora em Maceió e foi mais uma das pessoas que entrou para a lista de curados da covid-19. Logo no início da doença, ele não conseguiu detectar que estava contaminado, pois seus sintomas eram leves. Mas alguns dias depois os sintomas começaram a aparecer fortes, sua saturação caiu muito, e logo foi para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Passou alguns dias internado, e logo foi alertado por um amigo a cuidar também da sua saúde mental, sendo importante para uma boa recuperação.

Wallas Alves é músico e relata o sofrimento da classe artística que foi a que mais sofreu com a pandemia sem poder fazer shows, e explica que durante a quarentena a música ajudou a superar esse confinamento, já que passamos muito tempo em casa. Assim como tudo na vida passa, e devemos acreditar que isso logo vai passar, é preciso sempre acreditar que dias melhores virão. Se conectar com a música, serve de remédio para a nossa mente. Alimentação saudável, meditar, desenhar, ouvir música, e o mais importante, pedir ajuda se precisar.


 


 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »