02/11/2021 às 08h37min - Atualizada em 02/11/2021 às 08h37min

Deputado Paulo Dantas tenta destruir brilho do Governador Renan Filho e o sucesso da CPI do Covid-19 de Renan Calheiros

Com histórico de confrontos de bang bang no sertão alagoano seria puro sangue nas telas do programa eleitoral caso essa forçação de barra acontecesse de Paulo Dantas no Governo de Alagoas

Por Redação - Jornalista Raudrin de Lima e Jornalista Fernando Cpi
ENTERRO DO VEREADOR NEGUINHO BOIADEIRO

Renan Filho está escrevendo sua história com o maior avanço da saúde, na história de Alagoas, com a construções de vários hospitais, entre eles, Hospital Metropolitano, Hospital da Mulher, hospitais regionais da Mata e do Norte, na capital alagoana, estão em construção os hospitais da Criança e do Coração. O Senador Renan Calheiros na CPI do Covid-19, hoje conta com o respeito da mídia nacional e das forças progressistas, que tem como o maior expoente Luiz Inácio Lula da Silva. Depois da família Calheiros construir um legado de relevantes serviços do povo brasileiro , um exemplo claro do Senador Renan Calheiros em relação e da democracia em relação á fazer justiça no mais de 600.000 mortes causadas pelo desgoverno do Bolsonaro na pandemia do Covid-19, e em Alagoas Renan Filho criar um aparato de hospitais , uma problemática que assola em todo território nacional, temos a plena certeza que depois de tantos esforço , acabarem suas histórias políticas na mão do Deputado Estadual Paulo Dantas,onde tenta forçar a barra para ser Governador tampão e ir pra reeleião. Seria uma aberração pelo histórico, onde as duas famílias Dantas e Boiadeiros tem um confronto barbaro no sertão alagoano. Com a morte de ambos os lados.Seria a volta dos Coronéis Sertanejos no poder. Mais temos a plena convicção que o povo de Alagoas , os homens e mulheres de bem de Alagoas, e a Família Calheiros não irão dar este presente de grego aos alagoanos , abrindo a caixa de pandora no futuro de Alagoas.



Rixa entre famílias deixa rastro de sangue e mortes no sertão de Alagoas
Para entender a rixa familiar, é preciso voltar a pelo menos 1999. As primeiras mortes de que se têm notícia foram a do ex-prefeito de Batalha José Miguel Dantas e a de sua mulher, Matilde --eles foram assassinados em uma emboscada em março de 1999. José Miguel era irmão do então presidente da Assembleia, Luis Dantas. O crime foi imputado a Laelson Rodrigues de Melo, conhecido como "Laércio Boiadeiro". Ele foi condenado a 35 anos de prisão em júri popular em 2012 pelo duplo homicídio. Laelson é irmão de Neguinho Boiadeiro e nega até hoje ter cometido o crime.
​A partir dali, as famílias acirraram uma disputa por poder na cidade. Em 2006, outro crime aconteceu. Samuel Theomar Bezerra Cavalcante e o sargento Edvaldo Joaquim de Matos foram mortos em Batalha. Eles eram, respectivamente, cunhado e segurança de Paulo Dantas --que na época era prefeito da cidade. O autor dos disparos foi José Emanoel Boiadeiro. Emanoel confessou os disparos e alegou legítima defesa. Ele chegou a ser condenado e estava em liberdade condicional quando morreu durante uma operação policial em outubro de 2016, na cidade de Belo Monte, vizinha a Batalha.
A versão oficial é que ele foi alvejado em uma troca de tiros com a polícia --que também resultou em um policial ferido na mão. Emanoel seria segurança de um candidato a prefeito da cidade de Belém e estaria armado. Um outro homem que estava com ele também foi morto. A família Boiadeiro contesta a história e alega que foi a família Dantas que ordenou a morte de Emanoel por vingança do crime ocorrido uma década antes.



Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »